segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Alavancagem Financeira e Alavancagem Operacional

Alavancagem financeira,

segundo Gitman, é "a capacidade da empresa de usar encargos financeiros fixos para maximizar os efeitos de variações no lucro antes de juros e imposto de renda (LAJIR) sobre o lucro por ação”.

Segundo outros pesquisadores, a alavancagem financeira é positiva quando capitais de longo prazo de terceiros produzem efeitos positivos sobre o patrimônio líquido. E os capitais de terceiros de longo prazo só são vantajosos para uma empresa, quando o retorno sobre o patrimônio líquido for superior ao retorno sobre o ativo.

De nada adiantaria a uma empresa captar recursos a longo prazo, se estes fizessem com que o retorno sobre o patrimônio líquido recuasse à sua posição anterior à da captação. Alavancagem financeira é isso: a “alavanca” que esta captação produz ou não no retorno aos acionistas.

O resultado da alavancagem financeira pode ser melhor interpretado pela fórmula a seguir e seu coeficiente, que denominamos grau de alavancagem financeira (GAF):

GAF = RsPL : RsA

Sendo: :RsPL=Retorno sobre Patrimônio Líquido :RsA=Retorno sobre o Ativo

Se o GAF for igual a 1,0 = a alavancagem financeira será considerada nula

Se o GAF for maior que 1,0 = a alavancagem financeira será considerada favorável

Se o GAF for menor que 1,0 = a alavancagem financeira será considerada desfavorável

Tomando-se por exemplo, uma indústria com os seguintes dados:

Em 2000 Em 2001

Ativo 43.070 64.550

Exigível-L. Prazo 13.519 17.404

Lucro Líquido 2.519 4.842

Patrimônio Líquido 13.551 27.443

'''GAF em 2000'''

RsPL = 2.519/13.551 = 18,58%

RsA = 2.519/43.070 = 5,84%

GAF = RsPL/RsA = 18,58%/5,84% = 3,18

'''GAF EM 2001'''

RsPL = 4.842/27.443 = 17,64%

RsA = 4.842/64.550 = 7,50%

GAF = RsPL/RsA = 17,64%/7,50% = 2,35

A conclusão extraída é a de que, em 2000, o grau de alavancagem embora positivo, tinha um resultado de 3,18. No ano de 2001 a empresa fez crescer seu ativo incorporando mais recursos, e o grau de alavancagem embora positivo diminuiu para 2,35.

Os resultados de 3,18 e 2,35 têm o seguinte significado: a) em 2000 – a alavancagem financeira é favorável em 218%, ou seja, os capitais de terceiros contribuem para gerar um retorno adicional de 218% sobre o patrimônio líquido. b) em 2001 – a alavancagem financeira é favorável em 135%, ou seja, os capitais de terceiros contribuem para gerar um retorno adicional de 135% sobre o patrimônio líquido.

O estudo da alavancagem tem mostrado, pelos diversos autores, diversas fórmulas dando-nos uma série de interpretações até diferentes entre si. Uma delas, que nos pareceu também interessante conclui pela seguinte fórmula:

GAF = Variação % do Lucro Líquido / Variação % do Lajir

Utilizando-se do exemplo da mesma indústria, precisamos expor os dados da demonstração de resultado nos anos de 2000 e 2001, com as adaptações que se fazem necessárias:

INFORMAÇÕES 2001 2000

Receita Líquida de Vendas 91.211 71.270

Custo das Vendas 39.779 30.812

Lucro Bruto 51.432 40.458

Despesas Operacionais 43.540 31.422

LAJIR 7.892 9.036

Despesas Financeiras 1.354 6.019

Lucro Antes do IR 6.538 3.017

Imposto de Renda 1.696 498

Lucro Líquido 4.842 2.519

Assim, em 2001, teríamos a seguinte interpretação do grau de alavancagem financeira por esta fórmula:

GAF = Variação % do LL/Variação % do Lajir = 192%/87% = 2,20

A diferença, nesta maneira diferente de abordar a alavancagem financeira, foi bastante pequena, de 2,35 para 2,20.

Entretanto, foi observado que os dados são coletados na demonstração do resultado do exercício, através da segregação das despesas financeiras (ou mesmo receitas financeiras) das despesas operacionais. Em dado momento, temos o LAJIR – cujo significado é: lucro antes dos juros e imposto de renda.

A alavancagem financeira é demonstrada justamente pelo reflexo dos capitais de terceiros nas vendas líquidas, em relação ao lucro líquido após a diminuição do reflexo das despesas financeiras provocadas por estes mesmos capitais de terceiros.


Alavancagem Operacional

Muitos empreendedores perseguem, com afinco, o crescimento das vendas, porque acreditam que a iniciativa aumentará automaticamente os resultados da empresa. Entretanto, essa relação pode não se concretizar, ou, ainda, acontecer o inesperado: o aumento das vendas representar uma redução nos resultados.
Por isso usamos o GAO!


O que é Grau de Alavancagem Operacional? É a capacidade que a empresa possui, de acordo com a sua estrutura de custos fixos, para implementar um aumento nas vendas e gerar um incremento ainda maior nos resultados, ou, para diminuir as vendas e produzir uma redução maior nos resultados.


Quanto maiores os Custos Fixos em comparação à Margem de Contribuição, maior será o Grau de Alavancagem Operacional. E quanto maior o Grau de Alavancagem Operacional, mais sensível ficará o Resultado Operacional se houver qualquer variação na Venda Bruta.

Custos fixos e alavancagem operacional: quanto mais elevados os custos fixos em relação aos custos variáveis, maior o grau de alavancagem operacional.
Quanto maior for o GAO, maiores serão os riscos, pois o Resultado Operacional ficará muito sensível a qualquer variação na Receita Bruta, tanto para mais como para menos. Em épocas de dificuldades de vendas, a empresa sente fortemente os reflexos.

Calculando:
GAO = Variação Percentual no Lucro Operacional (Resultado) / Variação Percentual nas Vendas.
Obs.: Esse “/” significa divisão!
Em miúdos: Você calcula qual será o valor de suas vendas se essas forem aumentadas/diminuídas em 30%. Daí você calcula qual foi a variação percentual do resultado tanto para aumento de vendas, como para diminuição.

GA Negativo: Ocorre quando um aumento nas vendas (Receita) provoca uma queda no Resultado Operacional. Nesse caso a Margem de Contribuição é negativa ou o crescimento das vendas (Receita) é acompanhado pelo aumento das despesas fixas, descaracterizando-as como fixas.
GA Modesto: Acontece quando a empresa opera no prejuízo e quando os seus Custos Fixos estão acima do dobro da Margem de Contribuição. Nesse caso, um aumento percentual na Receita Bruta colabora para diminuir o prejuízo, mas em uma porcentagem menor.
GA Equilibrado: Ocorre quando a empresa opera no prejuízo e quando os seus Custos Fixos são exatamente o dobro da Margem de Contribuição. Nesses casos, um aumento percentual na Receita Bruta colabora para diminuir o prejuízo, na mesma proporção.
GAO: É o que ocorre na maioria dos casos, ou seja, um aumento ou uma diminuição percentual da Receita Bruta gera um aumento ou uma diminuição do Resultado Operacional num porcentual sempre maior.

Vale lembrar que quanto maior for o GAO, maior será a sensibilidade da empresa para gerar lucro. Por outro lado, o inverso também é verdadeiro, ou seja, o impacto no resultado de uma queda nas vendas atingirá a empresa na mesma proporção.

Um comentário:

  1. Saberia solucionar a seguinte questão.
    O lucro operacional após o IR atinge $9500,00 gerando dessa forma 15,83% de retorno sobre o ativo total da empresa. O ROE,após o IR, é de 11%, sendo que 40% do ativo total é de capital próprio. Calcule o custo da divida após o IR.

    Obg.

    ResponderExcluir